1 de maio de 2009

Como tirar um coelho da cartola?



No mês de março, quando o blog estava em fase de preparação, a idéia que rondava a cabeça dos alunos era a de que não teríamos assuntos para falar em todas as edições. Contudo, essa preocupação vem sendo deixada de lado com o passar do tempo. A maior parte dos textos dessa semana apresentou temas que muitas vezes passam despercebidos aos olhares menos críticos do cenário cultural da região.

A seção ‘Livro Aberto’ dessa semana traz um texto muito bem conduzido e que apresenta um projeto pouco divulgado pela mídia. É um exemplo de como falar sobre literatura de maneira crítica e sem cair na monotonia. Na parte sobre música, temos um tema original, mas a repetição de palavras é um ponto negativo. O “Cobertura rural caracteriza Estado Paranaense” chama atenção por retratar um programa que foge dos formatos tradicionais. Contudo, essa análise não atende a proposta do blog de cobrir apenas os Campos Gerais. A autora cita que o programa faz “a maior cobertura rural do Paraná”, mas não apresenta a fonte desse dado. Deve-se apontar também para o título informativo, que deve ser evitado, conforme foi discutido anteriormente.

No texto sobre o ‘Tela Alternativa’, a palavra de ordem é repetição, tanto de palavras (por exemplo, “projeto” e “roteiro”), quanto de tema, já muito abordado pela mídia impressa local. Contudo, o autor acertou na análise bem aprofundada e no rico vocabulário. Na seção ‘Entre Linhas’ o texto faz comentários relevantes. O que faltou falar foi que alguns dos apontamentos foram levantados na sala de aula do curso de Jornalismo, pelos próprios professores que coordenam o projeto. No texto “No ar 24 horas de programação paulista, parte dois”, como o próprio título sugere, a abordagem é a mesma de outras edições. Outros assuntos sobre rádio poderiam ser discutidos. Para finalizar, o principal problema dessa edição foi a parte ‘Outros Giros’. Os dados são interessantes, mas a idéia da sessão é outra. Caso o texto abordasse como os jogos atraem pessoas de outras cidades paranaenses, tendo como conseqüência o fortalecimento do turismo, a pauta seria uma das melhores dessa semana.


Daniel Petroski

14 comentários:

  1. Nós do Ombudsman pedimos desculpas pelo "sessão"... Passou despercebido, rsrs. =)

    ResponderExcluir
  2. Não é 1ª vez que aparece "sessão". No ombudsman de 18 de abril o erro se repete por 2 vezes.

    O destaque dessa semana está na boa seleção dos temas em "Outros giros" e "Livro Aberto". A proposta de seção Outros giros é somente o turismo? Quem disse (determinou) isso? O leitor não foi avisado. O nome pode remeter aos passeios dos próprios moradores da cidade.

    Já o texto 'Numa biblioteca não tão distante', além de ser atraente pela forma como foi conduzida, foge de assuntos já pautados pela mídia. O bando da leitura, por exemplo, já foi noticiado várias vezes pelos veículos de comunicação local (basta fazer buscas nos portais do JM e DC).

    Como uma crítica não termina na sua publicação, sendo alvo a ser criticado também, vale ressaltar a importância das críticas nos comentários.
    Há comentários que são de caráter pessoal e não críticas ao objeto (texto/obra).

    Como sugeriu uma leitora na semana passada: para conversas privadas existem outros espaços. Afinal, não é só na postagem para o blog que se deve ter uma conduta ética.

    ResponderExcluir
  3. Acredito, que por mais repetitivo que seja o tema, o blog, que em constante construção de aprendizagem para quem faz e para quem lê, tem a função de mostrar o que acontece na cidade, a fim de que "certas realidades" mudem. Apesar do texto da editoria Antena repetir o mesmo assunto, creio que de alguma maneira, o blog está pautando o que acontece nos Campos Gerais, em algum momento essas críticas valerão! Vale destacar a originalidade, como o Ombudsman diz no texto, de temas que nem imaginávamos "surgir" para o blog. Todos que fazem parte desse "projeto", desde os leitores que particpam comentando e ajudam na melhora do blog até os que o realizam semanalmente merecem parabéns.
    Quanto ao Bando da Leitura, por mais que seja um tema bastante tratado pela mídia, o blog como um veículo "novo" de crítica, também pauta essa realidade, em Ponta Grossa, o que vejo como importante. O desafio, no caso, é tratar do mesmo assunto de forma diferente.
    Mas, relevo que a originalidade é um aspecto que tem sido atingido pelo "Crítica de Ponta".

    ResponderExcluir
  4. Realmente , será que outros giros não deveria então mudar o nome para turismo? Se for pensar assim em todas as editorias realmente não haverá temas, o ombudsman conseguiu falar mal de uma boa ideia.

    ResponderExcluir
  5. Acredito que a proposta da seção "Outros Giros" seja a de falar sobre turismo alternativo na região dos Campos Gerais, como foi debatido em sala. Isso explica porque nós, do Ombudsman dessa edição, questionamos porque o autor da crítica não relacionou o local com o potencial turístico que possui. Contudo, nada impede que seja feita outra discussão para que a seção "Outros Giros" receba uma definição mais clara.

    ResponderExcluir
  6. É verdade, pois foi uma ideia interessante. Quem lê "outros giros" e vê o assunto tratado nessa semana percebe que tem algo a ver. A gente podia colocar outros giros com uma ideia um pouco mais abrangente, mas não tanto, senão qualquer lugar da cidade, como um bar ou um shopping poderia ser abordado, nesse ponto vocês tem razão. Até pra mim que estava na editoria outros giros foi uma surpresa falar do Germano Krüger.Por isso achei boa a ideia.

    ResponderExcluir
  7. Na verdade, nosso leitor não sabe especificamente do que trata cada editoria, em nenhum momento fica claro qual a proposta de cada uma.
    Para nós é fácil saber, pois foi feito um acordo em sala de aula, mas acredito que para o leitor a situação não seja nada prática. Ele deve interpretar o que quiser? A princípio é o que parece.
    No caso da editoria "Outros Giros", da qual eu faço parte, entendo o Ombudsman quando considera que seria importante abranger o estádio como ponto de turismo para um público mais amplo. Mas ao mesmo tempo não podemos desconsiderar no blog o público dos Campos Gerais, que precisa conhecer melhor alguns pontos da região onde vive. Acho que o texto não deixou de apresentar o estádio como ele é.
    Mas vamos melhorando! =D

    Felipe

    ResponderExcluir
  8. Achei ótima a escolha do Germano pro Outros Giros. Boa escolha pra fugir do óbvio (aliás, a editoria tem sido interessante). Acho, entretanto, que o texto poderia ser maior e mais aprofundado (não necessariamente no potencial turístico).

    E achei bem feitinho a "Livro Aberto" desta semana. Muito bem escrito.

    ResponderExcluir
  9. Só não entendi porque o Ombusdman criticou a repetição de palavras no texto sobre o Tela Alternativa e elogiou o vocabulário do autor. De resto, tudo certo, parabéns pelo blog =)

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Pois bem, como Ombudsman dessa semana, acredito que apenas seguimos o que foi estipulado em sala de aula. Como todos devemos saber, todos que fazem parte do blog seguem algumas "regras" que foram definidas coletivamente. Se, por alguma razão, nao foi foi entendida a intenção de cada tema abordado no blog é de interesse do Ombudsman destacar o que nao foi feito corretamente. A possibilidade de mudar o enfoque de Outros Giros é interessante, mas cabe coletivamente decidir se mudaremos esse enfoque. O nosso papel nessa publicação foi apenas garantir coisas que foram decididas em sala de aula e confirmadas atraves de um e-mail onde esta estipulado: Turismo/Outros Giros.

    ResponderExcluir
  12. não sei porque tanto auê!

    em diversas cidades da Europa, é muito comum um passeio ao estádio do time da cidade ser uma atração turística. Como visitar o San Ciro, time do Milan, em Milao; e por ai vai...
    Acho que a escolha do Operário foi otima para dar uma modificada.
    gostei da iniciativa, meninos!

    ResponderExcluir
  13. Tenho notado que os textos produzidos para o blog não fluem tão bem quanto os comentários postados por alguns redatores. É aqui que se percebe um potencial não aproveitado. Fica a impressão de que eles se sentem "amarrados" na hora de produzir uma crítica. Um toque de informalidade, mas não sem método, seria interessante para tornar os textos menos sisudos e, em alguns casos, telegráficos.

    ResponderExcluir